Os santos representam um capítulo importante na milenar história da Igreja. Foram protagonistas não só da vida cristã como também da vida civil. Eles estão presentes entre nós, nos nomes de cidades, nas páginas da história, na arte e na literatura. Seus exemplos revelam altruísmo, abnegação, caridade, bem como a perfeição cristã perante o oferecimento de suas próprias vidas, em face à ameaça de tortura e morte.

 

MARÇO

 

DIA 10: SÃO MACÁRIO (+ 335) 

Este santo foi eleito bispo de Jerusalém no ano de 314, quando o imperador de Constantinopla concedeu plena liberdade de culto aos cristãos. O bispo Macário recebeu a função de acompanhar os trabalhos para a construção das duas basílicas, a do Santo Sepulcro e a da Ressurreição. Durante seu episcopado, recebeu a mãe do imperador, que teve a auréola dos santos em virtude de sua vida cristã exemplar. A ela e ao bispo Macário é atribuído o mérito de reencontrarem a cruz sobre a qual Cristo foi crucificado. Sabe-se que eram três as cruzes e para se ter a certeza de qual delas era a verdadeira cruz do Redentor, Macário aconselhou encostar nelas uma mulher doente. Na casa da enferma, diante da rainha e de outras pessoas, o bispo prostrou-se e orou: “Ò Deus, que mediante o teu Filho unigênito inspiraste ao coração da tua serva o desejo de procurar o santo lenho do qual pendeu a salvação do mundo, mostra claramente qual a cruz que se identificou com a glória do Senhor e quais as que serviram para castigo dos escravos. Concede que, uma vez tocada pelo madeiro salutar, possa essa moribunda ser trazida de volta das portas da morte para a vida”. Instantânea cura ocorrida ao simples toque na mulher doente pela terceira cruz foi a prova mais evidente. Diante deste sinal, a rainha mandou levantar um templo maravilhoso onde encontraram a cruz. A grande Basílica de Constantinopla foi sagrada a 13 de setembro de 335, ano considerado como o da morte de Macário, seu superintendente e construtor.

 

Também neste dia, outros santos do calendário cristão são festejados, como: os Quarenta Mártires de Sebaste, S. Codrato, S. Simplício, S. Quessogue, S. Anastácia Patrícia, S. Dotroveu, S. Átalas, S. Himelino, Beato André de Strumi, Beato João de Valumbrosa, Beato Pedro Jeremias, Beato João Ogilvie.

 

       DIA 11: SÃO CONSTANTINO (século VI)

         São Constantino foi rei da Cornualha. Após a morte de sua esposa, filha do rei da Bretanha, tomado de grande tristeza, ele resolveu mudar de vida e passou o reino para seu filho. Escondendo sua origem e identidade, rumou para a Irlanda entrando para um mosteiro. Ali trabalhou durante sete anos, realizando as tarefas mais humildes, como a de ir ao moinho para levar e trazer sacos de farinha. Constantino recebeu a devida instrução e foi elevado ao sacerdócio. Pregou a fé cristã e se tornou abade. Viajou como missionário e foi atacado por piratas que lhe deceparam o braço direito. Deu a bênção aos seus seguidores e lentamente foi se esvaindo em sangue até morrer. São Constantino é                                                                                                                                             considerado o primeiro mártir da Escócia.

Outros santos são festejados neste dia, como: S. Sofrônio, S. Bento Crispo, S. Engo, S. Eulógio de Córdova, S. Eutímio de Sardi, S. Pedro Hispano, S. Vigílio, S. Firmino, Santos Gorgônio e Firmo, Santos Heráclio e Zósimo, Santos Teófimo e Talo.

 

DIA 12: BEATO DOM LUÍS ORIONE (1872-1940)

Dom Luís nasceu em Alexandria. Foi aluno de Dom Bosco, antes de ingressar no seminário de Tortona, onde recebeu a ordenação sacerdotal. De origem pobre, esteve presente por toda parte onde houvesse necessidade de ajuda. Ele dizia: “A minha verdadeira vocação seria poder viver como um asno autêntico de Deus, um autêntico asno da Providência”. No dia seguinte ao terremoto que atingiu Messina, em 1915, ele foi visto es

cavando nos escombros e depois requistar, não obstante a oposição dos soldados, um auto do séquito do rei Vitório Emanuel III, para levar os meninos encontrados salvos nos barracos destruídos. Com pouco dinheiro, ele conseguia fazer o bem, graças a sua ilimitada confiança na divina Providência. Em 1980 o papa João Paulo II proclamou-o beato.  Dele é a seguinte oração: “Tu sabes, ó Virgem Santa, que esta pobre Obra é tua obra: tu a quiseste e quiseste servir-te de nós, pobres miseráveis, chamando-nos misericordiamente ao altíssimo privilégio de servir a Cristo nos pobres; quiseste-nos servos, irmãos e pais dos pobres, vivendo de grande fé, totalmente abandonados à divina Providência…”

Outros santos são festejados também neste dia: S. Gregório Magno, S. Bernardo de Cápua, S. Élfego – o Velho, S. Maximiliano, S. Nicéforo, S. Paulo Aureliano, S. Pedro – o Diácono, S. Serafina de San Gimignano, S. Teófano, S. Simeão – o Novo Teólogo, S. Vindiciano, S. Egduno e companheiros, S. José Tshang-ta-Pong, Beato Dionísio de Rijkel, Beata Justina de Arezzo, Beato Nicolau Owen.

 

DIA 13: SANTA EUFRÁSIA (século IV)

Conjuntamente festeja-se a santidade de duas virgens, com o mesmo nome – Eufrásia de Constantinopla e Eufrásia da Nicomédia, que foram martirizadas mediante sua fidelidade a Cristo, em épocas e lugares diferentes.

Eufrásia da Nicomédia foi aprisionada durante uma perseguição contra os cristãos durante o império de Maximiano, no início do século IV, e induzida a sacrificar aos deuses. Diante de sua irredutível recusa, ela foi levada a um prostíbulo e entregue a um gladiador bárbaro para que este dela abusasse, para em seguida sofrer a pena capital. Eufrásia usou um estratagema para dissuadir o homem, dizendo-lhe que tinha um unguento milagroso,

capaz de tornar invulnerável o corpo de quem o usasse, oferecendo-se para prová-lo no seu próprio corpo. O homem, por curiosidade, condescendeu. A jovem Eufrásia derramou o óleo no seu próprio pescoço e o convidou a feri-la com a espada. Com um violento golpe, o homem destacou a cabeça do corpo. Com aquele ardil, Eufrásia privou-se da vida, que já estava sentenciada após o estupro, mas não da virgindade, a qual pôde oferecer a Cristo mediante o martírio.

Outros são os santos também festejados nesta data: S. Ansovino, S. Cristina, S. Eldrado, S. Érico, S. Geraldo, S. Kevoca, S. Sabino, S. Urpasiano, S. Vulquério, Beato Agnelo de Pisa, Beato Bonifácio de Savoia, Beato Pedro II de Cava, Beata Sancha, Santos Rodrigo e Salomão, Santos Macedônio, Patrícia e Modesta.

 

 

DIA 14: SÃO EUTÍQUIO OU EUSTÁCIO (741)

Durante o reinado do imperador Leão o Isáurico, quando o império estava sendo atacado pelas forças do Islã, desencadeou-se perseguição de ambos os lados. O imperador era inimigo do culto das imagens sacras e os árabes tinham um ódio fanático contra todos os cristãos, desejando o holocausto de vítimas.

Eutíquio ou Eustácio, filho de um patrício, foi aprisionado junto com outros cristãos e mantido em cativeiro durante muitos meses. Por recusar-se a abjurar a fé cristã, foi condenado à morte, na Mesopotâmia, junto com outros companheiros, possivelmente na fogueira, depois de ter suportado terríveis torturas. Dizem que suas relíquias realizaram muitos milagres.

Neste dia, outros santos são celebrados, tais como: S. Lubino ou Leobino, S. Matilde, S. Leão, S. Paulina, S. Telmach, Santos Pedro e Afrodísio, S. Bonifácio Queritano, S. Diácono, Beato Ambrósio Fernandes, Beato Arnaldo de Justina, Beato Domingos Jories, Beata Eva de Liège, Beato Tiago Capocci.

 

 

DIA 15: SÃO ZACARIAS, Papa (752)

Foi um dos diáconos da Igreja de Roma. Depois da morte de São Gregório III foi eleito papa por unanimidade. Era homem de grande saber e santidade pessoal, com espírito conciliador e profundo discernimento. Naquela época, Roma corria muito risco com ameaça de invasões bárbaras em seu território. O papa foi recebido pelo governante dos invasores e este devolveu os territórios tomados dos romanos ao logo dos trinta anos anteriores, além de libertar todos os prisioneiros. Em outros momentos da história de Roma, o papa Zacarias esteve à frente de negociações pela paz. Em meio a todas essas atividades, ele traduziu para o grego os Diálogos de São Gregório, sempre mantendo interesse e proteção aos pobres e oprimidos. Providenciou uma casa para abrigar as monjas expulsas de Constantinopla pelos iconoclastas. Resgatou no mercado romano escravos que seriam vendidos pelos venezianos aos sarracenos. Ameaçou com excomunhão os que vendessem escravos cristãos aos judeus. Zacarias foi venerado como santo logo após sua morte.

Neste dia, também outros santos são celebrados, tais como: S. Longino, S. Matrona, S. Lucrécia ou Leocrícia, S. Luísa de Marillac, S. Clemente Hofbauer.

 

DIA 17: SÃO PATRÍCIO (390-461)

São Patrício, de origem romano-inglesa, nasceu em lugar incerto da Britânia romana. Seu avô era padre e seu pai diácono, porque até aquela época ainda não havia sido imposta para o clero do Ocidente a lei do celibato. Até os 16 anos de idade preferia o jogo aos estudos, mas depois sua vida mudou de rumo. Capturado por piratas irlandeses foi vendido como escravo e conduzido a uma ilha ainda, não convertida ao cristianismo, para pastorear ovelhas. Ali teve tempo de meditar durante seis anos e um belo dia, em fuga, refugiou-se num navio mercante, chegando à Gália. Nesta viagem, depois de esgotadas as provisões, o comandante do navio incitou-o: “Como é, cristão! Tu disseste que o teu Deus é grande e onipotente, por que então não rezas por nós, que estamos a morrer de fome?” Ao que Patrício respondeu-lhes: “Convertei-vos de verdade e de todo o vosso coração para o Senhor meu Deus, a quem nada é impossível, a fim de que no dia de hoje, em vossa viagem, possa ele enviar-vos o alimento que vos há de saciar. Com efeito, por toda parte, ele o tem em abundância!”. E isso foi o que se passou, pois diante dos olhos de todos surgiu uma vara de porcos, dos quais, eles mataram muitos e se fartaram.

Com o pensamento na Irlanda pagã, resolveu retornar como missionário. Foi ordenado sacerdote e enviado pelo papa Celestino I à Irlanda para organizar as primeiras comunidades cristãs. Patrício dedicou-se primeiramente à conversão dos reis dos reinos autônomos, certo de que dessa forma o povo os seguiria. Ele criou em vários pontos da Irlanda os primeiros mosteiros, transformando a “bárbara” Irlanda em “ilha dos santos”, devido à grande massa de santos no calendário cristão, bem como dotou as igrejas de sacerdotes nativos. No século VII, Patrício era celebrado como santo em toda a Irlanda.

Neste dia outros santos são celebrados, como: S. Agrícola, S. Ambrósio de Alexandria, S. Gertrudes de Nivelles, S. José de Arimateia, S. Paulo de Chipre, Santos Heráclito, Paulo, Aquilino e companheiros.

 

 

Dia 18: SÃO CIRILO DE JERUSALÉM (315-386)

Tal como Santo Agostinho, Cirilo de Jerusalém recebeu o título de doutor da Igreja. Ficou conhecido por suas Catequeses, com 24 sermões compostos para preparar os catecúmenos para o sacramento do batismo. Num período de controvérsias teológicas, Cirilo soube manter um equilíbrio entre as partes divergentes, merecendo a eleição como bispo da Cidade Santa. Depois, entrou em polêmica doutrinária, sendo deposto e exilado em Tarso, até que em 359 o Concílio de Selêucia reconheceu sua ortodoxia e o reintegrou na sua fé episcopal, mas foi deposto e exilado por mais duas vezes pelo imperador Valente, recebendo depois justificação do imperador Teodósio. Pôde finalmente dedicar-se à renovação espiritual da própria diocese.

Outros santos são festejados neste dia, como: S. Alexandre de Jerusalém, S. Anselmo II de Luca, S. Eduardo, S. Frediano, S. Salvador de Horta, Santos Trófimo e Eucarpião, Santos Narciso e Félix.